Uso de blockchain em Startups do setor imobiliário

Share

O blockchain ganhou muita visibilidade recentemente, por meio dos bitcoins. Porém, para entender realmente a complexidade e a enorme possibilidade de usos do recurso é necessário levá-lo a outras esferas mercadológicas. Colaborativo, o conceito de confirmação de transações é extremamente eficiente, e limitá-lo somente às criptomoedas seria deixar de lado muito de seu potencial.

O setor imobiliário foi um dos primeiros a compreender que poderia utilizar o blockchain a seu favor. Tudo começou nas startups, que embora ainda não lancem mão do recurso com frequência, foram as primeiras a aceitar que ele seria uma ótima maneira de resolver alguns dos principais problemas do mercado.

Afinal, o que é blockchain?

Desde sempre, qualquer tipo de transação que envolvesse duas partes e dados, na maioria das vezes financeiros, era certificada por algum órgão maior (banco, instituições de grande porte). Isso significa que qualquer acordo poderia ser inválido, mas como sua validação dependia de um único ponto de vista, tal fato poderia ser ignorado e a transação, considerada acertada.

O blockchain surgiu como uma tentativa de descentralizar todo esse processo, deixando-o na mão de grupos de usuários protegidos por criptografia e envolvidos nas negociações. A ideia básica é criar um índice totalmente acessível para toda e qualquer transação de determinado mercado. Tudo é compartilhado e universal, e a confiança é coletiva. Não há nenhum tipo de intermediador nas transações realizadas pelo blockchain.

O próprio nome do termo explica isso de maneira mais clara: blockchain (corrente de blocos). Cada “bloco” seria uma transação, e os “nós” entre eles, um computador disponível e apto a julgá-la correta e válida ou não.

No Brasil, a tecnologia já é utilizada até mesmo por instituições de grande importância, como o Banco Central. Desenvolvida em parceria com os fiscalizadores do Sistema Financeiro Nacional (SFN), a plataforma Pier funciona por meio do blockchain, e visa facilitar a troca de informações relativas à autorização de processos em instituições financeiras com alguns órgãos de alto escalão.

Uma das maiores vantagens, segundo os especialistas, é a de que, além de não haver nenhuma instituição hierarquicamente mais alta, as informações são acessadas de maneira democrática e não correm o risco de serem apagadas.

Como o blockchain pode ser utilizado no mercado imobiliário?

O mercado imobiliário é feito de transações, todas dependentes de um intermediador, como uma imobiliária ou o próprio banco, em alguns casos. Entretanto, comumente os contratos relacionados a imóveis são assinados por duas partes — situação que seria extremamente facilitada por uma plataforma com base em blockchain.

Um case que mostra um estágio inicial de desenvolvimento da tecnologia é o sistema de pagamento de aluguel por temporada online, desenvolvido pela Agente Imóvel. Por meio dele, o proprietário e o inquilino têm contato direto para a quitação da dívida e negociação do período de aluguel, sem nenhum intermediário.

Embora esse ainda não possa ser considerado um caso completo do uso do blockchain no segmento, o sistema mostra que as negociações imobiliárias têm grandes chances de amadurecer e chegarem à total descentralização permitida e desejada pelo recurso.

Uma transação de compra e venda seria muito mais fácil, por exemplo, se houvesse a possibilidade de, em um blockchain, ter à disposição certificados digitais que garantem a idoneidade das partes envolvidas. Isso gera uma tomada de decisão mais inteligente e assertiva, além de aumentar a transparência nas negociações.

Quer continuar por dentro das novidades do Blog Seja Livre? Siga o nosso perfil no TWITTER, curta a nossa página no FACEBOOK ou adicione o Blog Seja Livre nos seus círculos do GOOGLE+.