Linux Foundation, Canonical e Red Hat, oferecem solução ao Secure Boot

Share

A proposta da Microsoft, por um processo de inicialização segura no Windows 8, alarmou a Comunidade GNU/Linux, bem como desenvolvedores de kernel e empresas por trás do Linux na medida em que eles elaboraram documentos para especificar como esse processo pode ser usado, sem prejudicar o uso de outros sistemas operacionais.

Um deles partiu da Linux Foundation, e o outro foi um esforço em conjunto da Red Hat, Canonical e outras empresas que desenvolvem ou trabalham com GNU/Linux.

Ambos documentos apontam que o GNU/Linux e outros sistemas operacionais livres só podem tirar proveito de inicialização segura, se ela for implementada corretamente no hardware. O controle recai sobre o fornecedor de hardware que, por sua vez, estará sob pressão da Microsoft. O processo de boot do Windows 8 foi apresentado publicamente em setembro, quando um preview para desenvolvedores do sistema operacional foi lançado. O Windows 8 utiliza as especificações do Unified Extensible Firmware Interface (UEFI), que define uma interface de software entre um sistema operacional e o firmware da plataforma – ou seja, um protocolo de inicialização seguro, para garantir direitos exclusivos de arranque no hardware. O fato de que este processo poderia, teoricamente, ser usado para bloquear outros sistemas operacionais foi inicialmente notado e comentado por desenvolvedor do kernel do Linux, como o engenheiro da Red Hat Matthew Garrett. A Microsoft reagiu a isso com as suas próprias observações, mas não aliviou qualquer das preocupações Matthew havia levantado.

 

Leia os dois documentos nos links abaixo:

 

1º Documento – Linux Foundation

2º Documento – Canonical, Red Hat e outros.