Buscando comandos já executados no Terminal (BASH)

Share

Como sempre comentamos é muito comum os novos usuários terem um certo medo do terminal. Talvez por não saberem o que fazer ou receio de fazer besteira, muitos n00bs preferem optar por soluções (ou distribuições) que usem a interface gráfica para resolver seus problemas, sejam eles quais forem.

Galera da página LinuxXiitas trollando os usuários do Ubuntu… sacanagem né? :)

Essa dica é pra otimizar um pouco seu trabalho no terminal, ensinando-lhe a aproveitar os comandos já digitados sem ter que redigitá-los novamente.

Comando history

No nosso BASH (Bourne Again Shell – vulgarmente conhecido como “Terminal Linux” – leia aqui para entender melhor o que é o Bash) existe um comando simples e útil que exibe os 1000 últimos comandos (quantidade que pode ser alterada no arquivo /etc/profile alterando-se o valor da variável HISTSIZE). Estes comandos são armazenados no arquivo .bash_history, o qual fica oculto dentro do diretório /home de cada usuário, ou seja, cada usuário tem sua lista de últimos comandos digitados.

Para visualizarmos o nosso histórico de comandos, executamos

history

E é exibido

Dicas

Imaginemos que você quer reexecutar o comando de número 204 (ping 8.8.8.8). Para isso você rodaria

!204

Assim:

Agora imagine que você sabe que já digitou um determinado comando porém não está conseguindo encontrá-lo na saída do history. Neste caso você digitaria CTRL + R e começaria a redigitar o comando desejado, e o Bash irá autocompletar conforme você digita. Assim:

Esta dica é muito usada para evitar erros em comandos extensos.

E se você desejar apagar o conteúdo do history, execute:

history -c

Existem diversas outras formas de se trabalhar com o history e você pode descobri-las acessando o manual do comando:

man history

Ahh, e se você gostou do meu terminal “estilizado”, clique aqui e deixe o seu assim também.

Até!

Quer continuar por dentro das novidades do Blog Seja Livre? Siga o nosso perfil no TWITTER, curta a nossa página no FACEBOOK ou adicione o Blog Seja Livre nos seus círculos do GOOGLE+.