O Unity 6.0 finalmente chegou ao Ubuntu 12.10 com novidades

Vinícius Vieira 12/07/2012 1
O Unity 6.0 finalmente chegou ao Ubuntu 12.10 com novidades
Share

Com lançamento previsto para 18 de outubro de 2012, o Ubuntu 12.10 Quantal Quetzal, que se encontra na fase de desenvolvimento Alpha 2, acaba de receber a nova versão do Unity, o ambiente de trabalho padrão do Ubuntu: a versão 6.0.

Dentre as as novidades implementadas até agora nesta versão, destacamos a nova lente de rádio online. Agora, você será capaz de pesquisar por web rádios, por álbuns e por uma música especificamente. E ao clicar no que quer ouvir, o Rhythmbox será aberto para executar a ação.

Nas novidades visuais (já que muita gente reclamou que ainda não havia aparecido nada de novo no layout) a barra do Unity, ao ser aberto o HUD, fica opaca, dando um maior destaque ao conteúdo exibido no Dash (ficou menos poluído), e os campos padrão que são exibidos no Dash, como “Aplicativos recentes” e “Arquivos recentes”, foram aumentados para exibir mais conteúdo pro usuário.

Algumas implementações “sob o capô” também chegaram ao 12.10, como melhorias na entrada de texto nas buscas do HUD e aumento da taxa de quadros de exibição.

Esta versão é a primeira da série 6.x e é normal que ainda não mostre tudo que teremos realmente no Ubuntu 12.10, tendo em vista que ainda falta muito para o lançamento da versão final. Até lá, vamos esperar por mais novidades (ou novidades mais expressivas… rs).

E se você quiser instalar o Ubuntu 12.10 na sua máquina, acesse este link e faça o download. Só lembrando que esta ainda é uma versão de testes, e pode ser muito suscetível a bugs e imperfeições no sistema.

Fonte

PUBLICIDADE


Quer continuar por dentro das novidades do Blog Seja Livre? Siga o nosso perfil no TWITTER, curta a nossa página no FACEBOOK ou adicione o Blog Seja Livre nos seus círculos do GOOGLE+. Se você usa ORKUT, nós também estamos lá, inclusive no IDENTI.CA e Linkedin.

  • http://Seusite... Breno Maya

    Acho que seria bem melhor se o Unity fosse um programa separado do compiz (já que ele é um plugin), seria mais produtivo e não quebraria com os efeitos que fazem do mundo Linux o melhor !