Linus Torvalds: “por que que o Linux não é tão competitivo no desktop”?

Linus Torvalds
Share
banner
Linus Torvalds, recentemente deu uma palestra em uma universidade da Finlândia (o mesmo evento que ele educadamente mandou a Nvidia se F****), onde foi perguntado sobre “o por que do Linux não ser tão competitivo no mercado de desktops”.

A pessoa que levantou esse questionamento aproveitou e comparou o “sucesso” do Linux no mercado móvel, e Linus, aproveitando o gancho, explicou:

“O Linux não reflete uma grande fatia no mercado de desktops, assim como o Android reflete no mercado mobile, por que o Linux, na maioria esmagadora das vezes, não vem pré instalado na máquina das pessoas. O Android é o sucesso que é, por que já vem pré instalado nos dispositivos móveis. O Windows é a grande fatia do mercado por que ele já vem instalado nos PCs, e a maioria das pessoas não querem saber de tirar o SO que veio na máquina que ela comprou pra instalar outro, mesmo que ele seja melhor.”

Linus abordou um ponto realmente interessante, porém, no meu ponte de vista, não enxergo muito o que ele falou. Aqui no Brasil, por exemplo, é muito comum um usuário comprar um PC com um “Linux tabajara” e ir correndo em um “técnico de informática” pra instalar o Windows (e geralmente é o XP, rs). Eu creio que o motivo principal seja a “propaganda” do Linux, a difusão de informação aos usuários comuns. É muito mais cultural do que questão de opção do usuário. Muita gente nem sabe que existem outros Sistemas Operacionais além do Windows. Neste ponto (quer queira quer não) o Ubuntu foi, e tem sido, o precursor em “colocar a cara pra fora da comunidade”.

Eu já ouvi gente dizer que usa Windows, acha o Ubuntu “bonitinho”, mas não gosta do Linux… ou seja, o cara nem sabe que o Ubuntu é Linux. Nos últimos tempos o Linux tem “abocanhado uma fatia expressiva do mercado de PCs” (isso em relação ao que era a um tempo atrás), porém sinceramente, se não começarmos a “evangelizar” mais pessoas, será um pouco difícil de crescer…

Linus Torvalds, o criador do kernel Linux

PUBLICIDADE


Quer continuar por dentro das novidades do Blog Seja Livre? Siga o nosso perfil no TWITTER, curta a nossa página no FACEBOOK ou adicione o Blog Seja Livre nos seus círculos do GOOGLE+. Se você usa ORKUT, nós também estamos lá, inclusive no IDENTI.CA e Linkedin.

  • Guest

    Vinicius, quando o sujeito é representado por expressões partitivas,
    representadas por “a maioria de, a maior parte de, a metade de, uma
    porção de, entre outras”, o verbo tanto pode concordar com o núcleo
    dessas expressões quanto com o substantivo que a segue:

    A maioria das pessoas não quer saber de tirar o SO.

    A maioria das pessoas não querem saber de tirar o SO.

  • Daniel

    ” e a maioria das pessoas não quer saber de tirar o SO que veio na máqui..”

    Corrigindo “não QUEREM saber de tirar…”

    • Vinícius Vieira

      Obrigado Daniel! Acho que vou te contratar como revisor…

  • Pingback: nVidia suspende suporte ao Linux à algumas placas de vídeo | Blog Seja Livre

  • Pingback: Linus Torvalds: “por que que o Linux não é tão competitivo no desktop”? | Comunidade Open Source PT

  • http://Seusite... Fabricio

    Eu até ja ví vir com Ubuntu, mais profundamente modificado. Chegava a ser bastante lento, e possuia uma interface parecida com o Windows. É isso que detona o nosso amado SO entre pessoas leigas.

  • http://Seusite... João

    Tá! e sobre o fato de não haver uma empresa por traz da maioria das distros linux? e sobre o fato das poucas empresas por traz de uma distro linux, SIM eu estou me referindo a canonical, red hat e google; não seguirem a mesma “receita de bolo” que levaram windows e mac ao “sucesso” que são? principalmente a google que comprou a motorolla e podia criar um hardware de qualidade com seu S.O. em butido e vende-lo.
    garanto a vocês que se a canonical e/ou a red hat não fizerem um contrato bilionário com algum fabricante de hardware nos próximos anos não haverá futuro no linux. E quanto a propaganda; vide a receita, a apple só faz companha do novo igadget lançado. E comparando com a versão anterior. a microsoft faz uma campanha massissa de seus produtos para informar que eles estão por aí(até quando?), e que são bons(?). Nossas distros linux não precisaram de campanha para tomarem conta de nossos hds, hoje 5% a 7% da população mundial usa linux, 90% dos orgãos públicos europeus usam linux, a marinha americana criará a sua própia distro, mesmo emulados, programas windows tem um desempenho maior no linux, bem se o problema for de propaganda, os fatos falam por si.

  • Pingback: Curso de Corrupção em TI « ESC + Shift + ZZ (Não esqueça!)

  • http://twitter.com/hiper4tivo @hiper4tivo

    O curioso na história é que por mais que alguns citem programas que os prendem aos SOs proprietários, são poucos os casos em que não se tem alternativa no Linux.

    Mas se criou uma cultura de ser usuários de programas, e não de executar determinada tarefa.

    A maioria esmagadora dos usuários poderia sim migrar pra Linux, e isso por si só traria uma mudança no mercado, pois com uma quantidade expressiva de usuários, passaria-se a ter mais interesse em empresas que são donas desses softwares que as pessoas reclamam não ter em SO Linux (é claro, se a Microsoft não inventar de dar grana só para os caras não fazerem isso hehehe).

    Uma outra razão também, acredito que seja elevante citar, é o famoso “xiitismo” que existe em comunidades open source.

    Todos falam mal do windows (até eu hehehe), e alguns falam mal da Apple também (eu também sou um deles, e sei que tem gente que fala tanto de open source e na hora do vamos ver usa coisas da Apple), mas tenho minhas razões e acredito que as pessoas também devem ter as suas.

    Só que pare pra pensar, o quão irracional é quando se discute quem é melhor entre as distros Linux… E entre aplicativos que usamos neles então…

    Quando falam que tudo deve ser open source por exemplo.

    Tá aí o Google Chrome que é o melhor exemplo disso, pois para quem não sabe ele é baseado no Chromium que é open source, mas o código do agora tão falado navegador mais usado não é aberto, e até os xiitas desinformados o usam.

    O Firefox, queridinho dos defensores do open source já começou a demonstrar que aos poucos vai desistindo do Linux em decisões como de não portar a central de aplicativos deles.

    E agora?

    Por mim a Canonical está certa em investir em parcerias e profissionalizar cada vez mais o ubuntu sim. Ter jogos vendidos na central de programas, e se conseguir colocar os programas proprietários que eu detesto e não uso, mas sei que melhoraria para alguns usuários poderem migrar o seu SO.

    Se a comunidade se unir mais e entender que a liberdade não deve ser só do software e sim do usuário também, e se ele é livre pode sim usar programas proprietários, temos sim esperança e uma luz no fim do túnel.

  • http://www.pensadorlouco.com Pensador Louco

    Sou usuário Ubuntu há anos, e também trabalhei por vários anos como técnico de informática. Por causa disso, entendo o que você disse no texto acima: a realidade do que Torvalds disse não se aplica no Brasil, porque as pessoas compram um computador com Linux e logo pendem pra que seja formatado e colocado o XP (ou 7, ou seja lá o que for).

    E isso, na esmagadora maioria das vezes, acontece por dois motivos:

    1 – Falta de informação: hoje em dia, o povo brasileiro com pouco ou nenhum acesso a informação quer um PC pra ser uma acessório em volta de seu MSN, como se não houvesse nenhum outro uso principal pra ele. Ao se deparar com um sistema desconhecido que não venha com o MSN logo de cara, ele não hesita em trocar de sistema.

    2 – A escolha da distribuição: Como você disse, as máquinas compradas com Linux vêm com o mais Tabajara possível. Às vezes acho que isso é feito de propósito. É instalada na máquina uma distro Linux sem quaisquer atrativos que façam o usuário querer testá-la. Chega a dar nervoso. Nunca vi, realmente, uma máquina vir com um Ubuntu todo configurado e pronto pra pessoa sair usando. Só distros obscuras e com pouco (por vezes, nenhum) suporte.

    Se essas questões fossem melhor trabalhadas por empresas que montam e vendem os PCs, somado a uma melhor divulgação do que é Linux e o que ele pode trazer de benefícios, então esse quadro mudaria.

    Até minha mulher, que era usuária Windows ferrenha quando nos conhecemos, hoje usa Ubuntu e não pensa em voltar atrás. E nem foi tão difícil assim, apenas uma questão de mostrar o que poderia ser feito com um novo sistema.

    Grande texto, abração. 8)

  • http://Seusite... Ueliton Maximo

    Vinicius Vieira,

    acredito que alem da falta de conhecimento das pessoas, ainda há um mito muito grande de que usar Linux é difícil.

    Comecei a usar Linux, distro Ubuntu faz uns dois em dual boot com Windows 7. Mas fico mais no Ubuntu pela segurança e pela gama de drivers que já vem pre-instalado para maioria dos hardwares.

    Eu que sou um leigo no uso de Linux, sei que ele é muito melhor do que o Windows 7 ou XP, para aquele usuario comum, que somente para edição de textos e internet. Pois, é muito mais seguro.