Clonando discos ou partições no Linux

Share

O processo de clonagem ou cópia de um disco “bit-a-bit” no Linux é bem simples, e não necessita de instalação de nenhuma aplicação pra ser executado. É fato que existem várias ferramentas gráficas para este fim, como o Clonezilla, PinguyBuilder (que pode ser usado pra customização de distribuição), dentre outros. Porém inevitavelmente a grande maioria destas ferramentas irão usar de back-end o “dd” que é nativo do Kernel Linux.

A sintaxe dele é bem simples, como você pode ver abaixo:

dd if=/dev/sda of=/dev/sdb

Com esta linha você pode copiar discos inteiros ou somente partições. O importante é notar que o disco/partição de destino tem que ser no mínimo de igual tamanho ao de origem.

Para saber o progresso da cópia, você pode usar a sintaxe abaixo:

dd if=/dev/sda of=/dev/sdb status=progress

Porém note que a flag “status=progress” só pode ser usada se você tiver o GNU Coreutils 8.24+ (presente no Ubuntu 16.04 ou Debian 8.x, e mais recentes). Caso você esteja usando um sistema mais antigo, você pode usar as seguintes expressões regulares abaixo (em um novo terminal):

watch -n5 ‘kill -USR1 $(pgrep ^dd)’

(a flag USR1 do kill taz informações sobre o andamento do processo sem terminá-lo)

ou

Execute a linha abaixo para saber o ID do processo do “dd”:

ps aux | grep dd

E então,

watch -n5 ‘kill -USR1 [pid do dd]’

Substituindo [pid do dd] pelo número do ID do processo.

Espero que tenham gostado. Aproveite e compartilhe conosco qual ferramenta você usa pra clonar o gerar backup dos seus disco.

Até a próxima!

Quer continuar por dentro das novidades do Blog Seja Livre? Siga o nosso perfil no TWITTER, curta a nossa página no FACEBOOK ou adicione o Blog Seja Livre nos seus círculos do GOOGLE+.

  • Já usei o clonezilla, uma de suas vantágens é o suporte a multicast, ou seja, uma mesma imagem pode estar sendo enviada para várias máquinas ao mesmo tempo. Já cheguei a instalar 40 máquinas numa tarde usando ele. No dia anterior preparei os dois modelos de images que iria trabalhar. De lá pra cá ele deve ter evoluido muto.